Henrique estava sentado em sua cadeira favorita estudando sua tese de doutorado, quando a filha Sara, de 8 anos apareceu e perguntou:

- Papai, você quer ver meu desenho?
Henrique, incomodado com a interrupção da filha, respondeu:
- Sara, querida, por favor, o papai está ocupado. Vá brincar um pouco, depois pode voltar que vou te dar atenção.
Henrique estava preocupado, pois aquele trabalho que deveria ser feito em uma semana, precisava ser realizado apenas em um fim de semana. Dez minutos depois, Sara novamente entrou na sala e pediu:

- Papai, me deixa mostrar o meu desenho?
Novamente Henrique pediu que a filha voltasse mais tarde.
Sara voltou cinco minutos depois e perguntou se o pai queria ver seu desenho. Mas Henrique , já irritado, respondeu:
- Não, não quero!
Um pouco assustada com o jeito como o pai lhe respondeu, Sara saiu correndo da sala.
Mesmo conseguindo o sossego que tanto queria, Henrique não conseguia tranqüilidade em seu coração. Parecia que alguma coisa o puxava . Então, resolveu chamar a filha:

- Sara, meu amor, você poderia vir aqui? Papai quer ver o seu desenho.
Sara entrou calada e foi direto para o colo do pai. Finalmente Henrique viu o desenho da filha: era um grande quadro, como se fosse um retrato na moldura, e tinha até um título em letras maiúsculas, escrito, “Nossa Família”.

Henrique, já emocionado, pediu :
- Filha, me explique o que significa este quadro.
E, Sara, na sua pureza infantil, começou:
- Aqui é a mamãe (era uma figura de palito com cabelo longo, amarelo e ondulado);
Sorrindo, Sara continuou:
- Aqui sou eu, do lado da mamãe, aqui é Bonnie (o cachorro), e aqui é a Natalí ( a irmã mais nova).
Henrique parecia ter esquecido do problema da tese de doutorado. Por isso, pôde perceber a maneira simples, pura da filha ver sua família. Então, todo feliz e emocionado, disse para Sara:

- Adorei, filha! Seu desenho é lindo! Vou pendurar na parede da sala de jantar, e toda noite quando eu voltar para casa, vou olhar para ele.

Sara deu aquele sorriso sincero de criança e foi brincar no jardim.
Henrique voltou para a tese de doutorado. Mas por alguma razão, lia a mesma frase várias vezes. Estava desatento. Algo o tinha deixado preocupado no desenho da filha. Alguma coisa estava faltando, ele pensou. Então, resolveu chamar a menina de novo:
- Sara, você pode me mostrar seu desenho outra vez?
A menina rapidamente levou o desenho para o pai e sentou-se em seu colo. Henrique, com a voz embargada, fez uma pergunta para a filha, apesar de estar com muito medo da resposta. Ele perguntou:

- Filha, aqui no seu desenho tem a mamãe, você do lado da mamãe, o nosso cachorro, sua irmãzinha Natalí, o sol a nossa casa, passarinhos... mas onde está o papai?

E, Sara respondeu:
- Você está no quarto, papai!
Henrique terminou seus estudos de doutorado. Mas a maior lição que aprendeu, foi ensinada pela sua filha de apenas 8 anos.

LIÇÃO DE VIDA:


Valorize a sua família. Ela é base de tudo, o porto seguro para todos os momentos de sua vida!